• Facebook: ifscxanxere
  • Twitter: ifscxanxere

Home Notícias Estações meteorológicas são instaladas no IFSC para monitorar o clima em Chapecó e Xanxerê

Estações meteorológicas são instaladas no IFSC para monitorar o clima em Chapecó e Xanxerê PDF Imprimir E-mail
Seg, 17 de Abril de 2017 14:56

Um grupo de professores e alunos do curso Técnico em Meteorologia (Câmpus Florianópolis) do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) estão no Oeste catarinense nesta semana. Eles passaram pelo Câmpus Chapecó nesta segunda-feira (17) e estarão no Câmpus Xanxerê do IFSC nesta terça-feira de manhã (18) para instalar estações meteorológicas.

 

A instalação faz parte do projeto “Monitoramento de Tempestades Severas no Oeste catarinense”, que irá monitorar o clima em Chapecó e Xanxerê. “Escolhemos esta região e estas cidades pela ocorrência de eventos extremos. Agora precisamos dos dados para entender esses fenômenos. Então o equipamento irá coletar informações como a temperatura, a umidade, a velocidade do vento e a quantidade de chuva para depois analisarmos cada um deles”, explica o coordenador do projeto, professor Mario Francisco Leal De Quadro.

 

O projeto iniciou em agosto de 2016 com a construção e os testes do protótipo que está sendo instalado nesta semana, além do desenvolvimento de sensores, do hardware e do software, ou seja, o micro-computador que faze a coleta dos dados.

 

No início desta semana, o grupo passa pela segunda fase, de instalação e testes in loco do protótipo. O equipamento deve ficar nos câmpus do IFSC de Chapecó e Xanxerê por pelo menos 30 dias.

 

“A terceira fase do projeto ocorre quando desinstalarmos as estações e iniciarmos a análise dos dados e geração dos resultados. Temos que terminar toda a análise até julho deste ano”, afirma o professor.

 

Além dos dados para análise, o grupo também testa a qualidade da estrutura e das informações coletadas pelo protótipo construído por eles. Junto ao equipamento também está sendo instalada uma estação profissional, que servirá como base para as análises e validação do protótipo.

 

“A estação de baixo custo custou pouco mais de R$ 1 mil e a estação profissional custa muito mais. Então nossa intenção também é testar a opção de baixo-custo e conseguir baratear esta tecnologia, para que no futuro ela seja instalada em vários pontos do Estado para monitorar o clima”, afirma De Quadro.

 

Além do professor, os dois alunos bolsistas Paulo Fernando Lameira dos Santos e Mônica Letícia de Melo também acompanham a instalação no Oeste catarinense. Outros professores e alunos do curso Técnico em Meteorologia e do Mestrado Profissional em Clima e Ambiente também auxiliam e utilizam os dados para outros projetos desenvolvidos no IFSC.

 

 

---

Por Rafaela Menin / Jornalista IFSC

 
                                                                                                                                                                                                                            
Banner

Para visualizar PDF você precisa do Adobe Reader: Clique aqui para baixar.